Problemas do mundo

Nessa gravação bem humorada temos a oportunidade rara de ter um pouco de insight na mente de Ajahn Chah sobre como ele enxerga o mundo. Esse é o tipo de ocasião em que sentimos verdadeiro assombro com a sabedoria do grande mestre, não por sua erudição ou sofisticação intelectual mas sim pela simplicidade com que ele destrói um problema, às vezes só mudando de forma sutil um ponto de vista. Talvez o mais assombroso não seja a sabedoria do mestre mas sim o tamanho da nossa burrice e como sofremos à toa!
A gravação é de baixa qualidade e às vezes há distorção nas vozes. Outro problema é que ela é interrompida várias vezes fazendo com que algumas frases fiquem inacabadas e outras percam um pouco seu contexto.
Notas:
  • Rua Plêngsit: é uma rua num bairro nobre de Bangkok.
  • Trazem os filhos para oferecer: essa é uma superstição comum no interior da Tailândia. As pessoas pedem que o Ajahn aceite ser padrinho do filho deles com a ideia de que assim o mérito do Ajahn vai ajudar a proteger a criança. Isso é feito apenas como cerimônia, o monge não assume de fato nenhuma responsabilidade pela criança.
  • Prosperava em Beijing: a pessoa refere-se ao fato de que no passado existia budismo na China mas depois o país tornou-se comunista. Note que essa gravação ocorreu na época da guerra do Vietnam e havia um perigo real da Tailândia também tornar-se um país comunista.
  • Pessoas com micchā-ditthi: nesse caso específico significa pessoas que não gostavam do Buddha e do ensinamento dele.
  • Enterrar as nimitas: neste caso específico, nimitas significam pedras que demarcam os limites do bot (uma espécie de templo). É tradição que essas pedras (em geral esféricas) sejam enterradas sob o solo.
  • Ajahn Kitbóbut: a palavra ‘ajahn’ significa professor mas também é utilizada na Tailândia de forma parecida com ‘doutor’ no Brasil, ou seja, qualquer pessoa que possua um certo status é chamado de ‘ajahn’ tal como no Brasil qualquer pessoa que possua uma posição de certo respeito é às vezes chamado de ‘doutor’.
  • Folhear ouro: no caso anterior, da estátua do Buddha, significa de fato folhear a ouro, o artesão usa ouro derretido para cobrir a imagem. Já no caso nas nimitas citado aqui significa que as pessoas vão trazer pequenas folhas de papel metálico de cor dourada (só em casos muito raros são de fato folhas de ouro) e usando um pouco de cera de abelha colam esse metal na nimita (às vezes também nas estátuas do Buddha). Algumas pessoas fazem isso como uma forma de puja, mas a maioria faz porque acha que como resultado disso elas vão ficar ricas.
  • Jogar coisas dentro: as nimitas são enterradas sob o solo, o significado aqui é que as nimitas já foram postas nos buracos mas ainda não foram enterradas e as pessoas se aproveitam para jogar objetos dentro do buraco como forma de puja (na maioria dos casos jogam moedas ou pequenas imagens do Buddha).
  • Querem morrer aqui mesmo, agora mesmo: na Tailândia uma forma bem humorada de expressar raiva é dizer “Quero morrer! Quero morrer!”
  • Nove templos: algumas pessoas têm a superstição de que se fizerem uma certa cerimônia num certo dia, num número específico de templos, elas conseguirão estender seu tempo de vida.

Baixe a transcrição deste ensinamento: Versão PDF / Versão ePub

3 comentários sobre “Problemas do mundo

    • Sim. Naquela época não havia muito stress ao redor do hábito de fumar talvez porque as pessoas em geral fumavam dois ou três cigarros por dia, o hábito de fumar 20 ou 30 por dia só é possível graças à industrialização que já lhe dá um cigarro barato, empacotado, enrolado e pronto para fumar, também não havia muita percepção sobre os problemas de saúde associados. Ele só parou de fumar depois que os discípulos estrangeiros começaram a chegar e apresentaram a ele a visão ocidental do cigarro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.