Não se deixe enganar pela mente

Ajahn Chah alerta os monges sobre os truques que a mente prega nas pessoas.Esse ensinamento foi dado numa ocasião onde só haviam monges e provavelmente discípulos mais próximos, portanto a linguagem é bem informal e às vezes um pouco ofensiva, peço desculpas aos leitores. Há uma segunda tradução desta mesma desanā para a língua inglesa chamada “Right Restrain”.

Notas
  • “…estimamos desde que nascemos” – antigamente na Tailândia era o cúmulo do desrespeito tocar alguém na cabeça, hoje em dia ainda há essa percepção mas não é tão sério assim.
  • “… estando em cima” – na Tailândia quão alto um objeto é posto possui um significado simbólico. Por exemplo, num altar a imagem do Buddha deve ser o item mais alto, fotos de mestres e outros objetos devem estar numa altura mais baixa e assim por diante. O que ele quer dizer aqui é que se os órgãos sexuais fossem realmente importantes eles estariam no alto da cabeça e não abaixo dela.
  • Pabakaro – esse era o nome de um discípulo de origem norte-americana, o evento relatado ocorreu nos Estados Unidos.
  • “rê, rê, rê, rê…” – esse, eu imagino, é o som do cachorro arranhando a porta.
  • Ciência do Buddha – um dos significados da palavra Buddha é “aquele que despertou”, então essa expressão também pode ser interpretada como “ciência do despertar”.
  • Kāma – esse termo é diferente de kamma. Kāma se refere a sensualidade, já kamma significa ‘ação’.
Baixe a transcrição deste ensinamento: Versão PDF / Versão ePub

2 comentários sobre “Não se deixe enganar pela mente

  1. Nesse sutta o Buddha explica quando e como as mulheres se tornaram excessivamente preocupadas com os homens e os homens com as mulheres.

    Digha Nikaya 27 – Agañña Sutta – O Conhecimento da Gênese

    http://www.acessoaoinsight.net/sutta/DN27.php

    15. ‘E aqueles seres passaram a se alimentar daquelas trepadeiras. E ao fazer isso, os seus corpos ficaram ainda mais grosseiros e a diferença nas aparências se tornaram ainda mais marcadas … E eles se tornaram ainda mais arrogantes e assim as trepadeiras também desapareceram. Devido a isso eles se reuniram e lamentaram, exclamando: “Ai de nós, as nossas trepadeiras se foram! O que perdemos!” E assim quando hoje em dia as pessoas ao serem perguntadas porque estão preocupadas, respondem” “Ah! O que perdemos!” elas estão repetindo um dito antigo sem se dar conta disso.

    16. ‘E depois que as trepadeiras haviam desaparecido, o arroz surgiu no campo aberto, [14] livre de pó e das cascas, perfumado e limpo. E aquilo que eles colhiam para a janta amadurecia novamente na manhã seguinte e aquilo que eles colhiam para o café da manhã amadurecia novamente à noite, sem qualquer indício de cultivo. Todos aqueles seres passaram a se alimentar daquele arroz e isso continuou por um bom tempo. E ao fazer isso, os seus corpos ficaram ainda mais grosseiros e a diferença nas aparências se tornaram ainda mais marcadas. E as fêmeas desenvolveram os órgãos sexuais femininos [15] e os machos desenvolveram órgãos sexuais masculinos. E as mulheres se tornaram excessivamente preocupadas com os homens e os homens com as mulheres. Devido a essa preocupação excessiva mútua, a paixão foi desperta e os seus corpos arderam com o desejo. E mais tarde, devido a essa queimação, eles se entregaram à atividade sexual. [16]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.