Nascimento e Renascimento

Essa desanā foi dirigida à comunidade monástica de Wat Pah Pong, sendo assim a linguagem utilizada é bem mais técnica do que o normal, mesmo as pessoas comuns na Tailândia não entendem a maioria dos termos utilizados ou das expressões que são bastante particulares ao círculo social dos monges da floresta, portanto a dificuldade em entender essa desanā não tem nada a ver com ser ocidental ou oriental. Ainda assim eu fiz questão de traduzir essa gravação em especial pois o que está contido aqui é quase impossível encontrar em qualquer outro lugar, principalmente em tempos atuais onde a atitude geral é rebaixar o Dhamma para nossa estatura ao invés de nós nos esforçarmos para nos fazer à altura do Dhamma. Essa desanā, penso eu, serve como um ponto de referência, para que possamos ver a diferença entre o Dhamma ensinado por aqueles que são Dhamma e aqueles que falam sobre Dhamma. Mesmo que o ensinamento contido não seja o que as pessoas normalmente querem ouvir, mas sendo verdadeiro, é algo que talvez seja de interesse a alguns. Tanto quanto eu esteja ciente, é a primeira vez que essa desanā foi traduzida.

Notas da Tradução:
  • Existência-vida: isso é como eu acabei traduzindo ภพ-ชาติ (pôp-chát). Essas duas palavras tailandesas tem um significado difícil de traduzir ao ocidente pois elas existem dentro do sistema de pensamento que enxerga a vida como sendo apenas uma em uma longa sequência, em geral essas palavras são utilizadas nesse contexto. A diferença para nós é algo como a diferença entre “a vida” e “uma vida”, o significado “uma dentre várias” já vem embutido na palavra. Não há tradução direta para o português, o melhor que eu consegui arrumar foi “existência” para ภพ e “vida” para ชาติ, embora “vida” no sentido de “estar vivo, possuir vida”, é melhor traduzido como ชีวิต (chivít). Mesmo para um tailandês, o jogo de palavras feito por Ajahn Chah aqui é algo inusitado e requer um pouco de esforço para captar a mensagem.
  • Āyu, vanno, sukham, balam (pāli): as palavras finais dos versos que são recitados por monges, como forma de benção ou agradecimento.
  • … de pé, sentado ou deitado: essa é uma expressão particular a Ajahn Chah, quer dizer “o tempo todo”, “em qualquer situação”.
  • Protocolos: os deveres dos monges no preparar o local para a cerimônia do uposatha.
  • Pão: originalmente não havia producão de trigo na Tailândia, pão era considerado um produto de luxo, comida de gente rica. Atualmente, com o processo de ocidentalização, pão é um produto comum e pode ser encontrado em qualquer lugar.
  • Bojjhango sati-sankhāto… (pāli): um trecho da Bojjhanga Pārita

Baixe a transcrição deste ensinamento: Versão PDF / Versão ePub

3 comentários sobre “Nascimento e Renascimento

  1. Obrigado pelo esforço de tradução. Ver e ouvir um mestre é muito interessante.
    Comento, depois do minuto 12 deste video, a escolha das palavras "felicidade" e "alegria" em português para significarem coisas diferentes. No livro "O que não faz de ti um budista" encontramos a mesma ideia de que "o objectivo não é a felicidade". Neste video surge a palavra "felicidade" com algo inútil e tradução "alegria" para dizer uma alegria vinda da prática. Imagino que "alegria" seja a palavra escolhida para "sukha".
    Julgo necessária um tradução sistemática da palavra "Sukha". Por exemplo, no livro do monge Mathieu Ricard é usado e bem explicado o que se entende por "Prazer", "Alegria" e "Felicidade".
    Dizer que os buddhistas não procuram a felicidade indica aos ouvintes novos que então eles procuram a infelicidade causando o natural afastamento do ouvinte.

    • Agradeço o comentário, a palavra que traduzi como "alegria" é a palavra em Thai "púm jai", é duro encontrar um correlato exato em português principalmente pois na língua tailandesa em geral existem muito mais sinônimos do que o português, no final a gente fica sem opções na hora de traduzir a não ser repetir o mesmo termo para diferentes palavras.
      Com relação a novos praticantes, eu concordo que o conteúdo do site não é o mais indicado para estes, mas justamente essa foi a minha motivação em publicar esses ensinamentos, oferecer algo mais profundo e sérios aos interessados, algo que vá além do "budismo de prateleira" com o que estamos acostumados.

      Um abraço, até mais.

  2. a alegria e a tristeza como o bem e o mal andam juntas, disse o venerável. a prática parece uma praxis, atuando no agora e no presente. a palavra, palestra, é esclarecedora. 'a Filosofia é um exercício de morte' parece uma frase própria da doutrina Buddhista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.